Principais Doenças Oculares

Saiba mais informações sobre as principais doenças oculares.

  • Astigmatismo

    O astigmatismo é uma deficiência visual, causada pelo formato irregular da córneaou do cristalino. Uma córnea normal é redonda e lisa. Nos casos de astigmatismo, a curvaturada córnea é mais ovalada, como uma bola de futebol americano.

    doencasOcularesAstigmatismo
  • Catarata

    A opacificação do cristalino, a lente do olho, é chamada de catarata. A palavra catarata deriva do latim e significa “queda d’água”.

    Os raios refletidos de um objeto entram no olho através da córnea e do cristalino, que juntos focam a luz na retina para produzir uma imagem nítida. Quando se desenvolve a catarata, os raios de luz não estão mais precisamente focados. Ao invés disso, os raios são dispersos antes de atingir a retina.

    Entretanto nem todas as cataratas afetam a visão significativamente ou necessitam de tratamento. A severidade da diminuição da acuidade visual depende do tamanho, densidade e localização da opacidade no cristalino.

    A catarata pode ocorrer em qualquer idade. Existem recém-nascidos com catarata, mas é muito mais comum em uma idade avançada da vida. Aproximadamente 50% das pessoas entre 65 e 74 anos e 70% das pessoas acima de 75 anos tem catarata.

    A cirurgia da catarata é realizada mais frequentemente em pessoas acima de 65 anos e é considerada por muitos médicos um dos procedimentos cirúrgicos mais efetivos na medicina. Aproximadamente 1,5 milhão de cirurgias de catarata são realizadas todos os anos dos Estados Unidos.

    Como ocorre a catarata?

    As maiorias das cataratas ocorrem naturalmente com o processo de envelhecimento, mas vários fatores podem contribuir para sua formação como:

    • Trauma ocular;
    • Diabetes e outras doenças sistêmicas;
    • Exposição à radiação, especialmente raios-X;
    • Uso crônico de esteróides;
    • Exposição a substâncias tóxicas;
    • Inflamação crônica do olho (Uveíte);
    • Exposição prolongada à luz solar;
    • Envelhecimento.

    Uma criança pode nascer com catarata ou desenvolver na infância precoce. Estas cataratas são conhecidas como cataratas congênitas e podem ser causadas por uma doença genética (como Síndrome de Down) ou por uma doença materna na gravidez (rubéola). As cataratas congênitas também podem ser hereditárias.

    Quais são os sintomas de catarata? 

    Os sintomas de catarata incluem:

    • Visão embaçada;
    • Necessidade de troca frequente no seu óculos ou lente de contato;
    • Dificuldade de dirigir à noite;
    • Sensibilidade à luz
    • Mudança na visão de cores.

    Cataratas não causam cegueira completa. Entretanto, é possível ter uma perda de visão que seja declarada cegueira legal.

  • Glaucoma

    Glaucoma é a designação genérica de um grupo de doenças que atingem o nervo óptico e envolvem a perda de células ganglionares da retina num padrão característico de neuropatia óptica. A pressão intraocular elevada é um fator de risco significativo para o desenvolvimento de glaucoma, não existindo contudo uma relação causal direta entre um determinado valor da pressão intraocular e o aparecimento da doença.

    No ambulatório do Hospital das Clínicas de São Paulo orientamos os pacientes com os seguintes “mandamentos sobre o glaucoma”:

    1. Glaucoma, se não tratado, pode levar a cegueira.

    2. Ele é silencioso. Geralmente não causa sintomas na fase inicial.

    3. Se você tem mais de 40 anos e algum parente sofre dele, então consulte oftalmologista anualmente e o avise disso, mesmo que você não sinta nada de diferente.

    4. Os remédios receitados para esta doença são de uso contínuo. Significa que devem ser usados todos os dias, especialmente na véspera e no dia da consulta. É só assim que o médico pode saber se eles estão fazendo o efeito de baixar a pressão do olho.

    5. Lugar de pingar colírio é deitado na cama. Deixe os colírios na cabeceira e, cada vez que pingar uma gota, feche os olhos suavemente por três minutos (se quiser, conte até 100 para marcar o tempo). Isso ajuda o colírio a funcionar melhor.

    6. Pode ser necessário mais de um medicamento para baixar a pressão o suficiente.

    7. Se tiver que pingar outro colírio, faça um intervalo de pelo menos 5 minutos.

    8. Remédios podem causar efeitos colaterais. Se sentir algo desagradável pelo uso, comunique seu médico. Alguns remédios podem ser substituídos por outros que não lhe façam mal.

    9. Fazer caminhadas de 40 minutos diariamente ajuda baixar a pressão ocular (além de fazer bem a todo organismo).

    10. Tratar-se de glaucoma não impede a pessoa de levar uma vida normal, a não ser em casos muito adiantados da doença.

  • Hipermetropia

    Hipermetropia é o nome dado ao erro de focalização da imagem no olho, fazendo com que a imagem seja formada após a retina. Isso acontece principalmente porque o olho do hipermétrope é um pouco menor do que o normal.

  • Miopia

    Miopia é o distúrbio visual que acarreta uma focalização da imagem antes de esta chegar à retina. Uma pessoa míope consegue ver objetos próximos com nitidez, mas os distantes são visualizados como se estivessem embaçados (desfocados).

  • Alergias Oculares

    A alergia ocular, ou conjuntivite alérgica, afeta 6 entre 10 pacientes alérgicos. Não é uma doença contagiosa, mas provoca muito desconforto e irritação nos indivíduos que dela sofrem. Quase sempre, o sintoma de coceira indica uma reação alérgica, e esfregar os olhos pode levar a sérios problemas oculares. Mas além desse, outros sintomas podem estar presentes:

    • Vermelhidão ocular;
    • Lacrimejamento;
    • Sensação de queimação nos olho;
    • Visão borrada;
    • Produção de secreção.

    Baseado nos seus sintomas, faremos uma avaliação detalhada e orientar o melhor tratamento para o seu caso. O uso de colírios antialérgicos e lubrificantes é importante para o controle da doença. Mas o mais importante é evitar o contato com agentes alérgenos, ou seja, evitar o contato com o fator que está desencadeando sua alergia.

    Orientamos aos nossos pacientes uma avaliação multidisciplinar, com pediatra, clínico geral e alergista para que juntos possamos tomar as medidas adequadas para o tratamento.

    Alguns cuidados em casa podem amenizar o problema:

    • Manter os ambientes arejados e permitir a entrada da luz solar;
    • Procure evitar animais domésticos que soltem pelos;
    • Manter o filtro do ar condicionado sempre limpo;
    • Utilizar panos úmidos e aspiradores de pó para remover a poeira;
    • Evitar objetos que possam acumular poeira;
    • Lavar roupas guardadas há muito tempo antes de usá-las;
    • Forrar colchões e travesseiros com capas antialérgicas;
    • Expor ao sol as roupas de cama e lavá-las com água quente.

  • Blefarite

    A Blefarite é uma inflamação não contagiosa das pálpebras.

    Aparece quando as glândulas que temos na base de cada um dos cílios produzem excessivamente gordura,causando uma condição favorável para o crescimento bacteriano.

    Principais sintomas:

    • Prurido (coceira);
    • Irritação ocular;
    • Sensação de corpo estranho
    • Lacrimejamento;
    • As pálpebras superior e inferior ficam cobertas por detritos oleosos e bactérias em torno da base dos cílios, podendo levar à perda dos mesmos;
    • Secreção;
    • Vermelhidão nas bordas das pálpebras;
    • Formação de “Tersóis”;
    • Escamações nas margens das pálpebras;
    • Embaçamento visual.

    Ao início dos sintomas, procure o seu oftalmologista, que indicará o melhor tratamento. O tratamento poderá ser feito de acordo com a gravidade da doença. Em alguns casos, somente limpeza e colírio, em outros poderá ser necessário, além desses cuidados, medicação via oral.

    Alguns cuidados podem ajudar:

    • Aplique compressas mornas sobre as pálpebras fechadas, durante 2 a 3 minutos, pelo menos 2 vezes ao dia;
    • Procure evitar animais domésticos que soltem pelos;
    • Com a ponta do seu dedo envolvida por um pano fino ou com um cotonete, esfregue com delicadeza a base dos cílios de cada pálpebra;
    • Maquiagem pode piorar a irritação ocular, não use;
    • É importante fazer a limpeza freqüente das pálpebras. Isso ajuda no controle da blefarite;
    • Evite alimentos gordurosos.

  • Conjuntivite

    A conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, uma membrana fina e transparente que reveste a esclera, a parte branca dos olhos. Normalmente ataca os dois olhos, e pode durar de 1 semana a 15 dias.

    A conjuntivite pode ser causada por:

    • Reações Alérgicas: pólen, pelos de animais ou outros alérgenos;
    • Reações Químicas: substâncias irritantes como cloro de piscina;
    • Traumáticas: decorrente de traumas no local;
    • Infecciosas: por vírus ou bactérias;

    As infecciosas são contagiosas.

    Sinais e sintomas:

    • Olhos vermelhos;
    • Lacrimejamento;
    • Inchaço;
    • Fotofobia;
    • Secreção;
    • Sensação de areia ou corpo estranho nos olhos;
    • Em alguns casos febre e dor de garganta;

    Recomendações importantes:

    • Lavar as mãos frequentemente;
    • Evitar aglomerações ou frequentar piscinas de academias ou clubes e praias;
    • Lavar com frequência o rosto e as mãos;
    • Não coçar os olhos;
    • Trocar as toalhas do banheiro frequentemente e não compartilhá-las com seus familiares;
    • Trocar as fronhas dos travesseiros diariamente;
    • Não compartilhar o uso de esponjas, rímel, delineadores ou de qualquer outro produto de beleza;
    • Evitar contato direto com outras pessoas;
    • Evitar pegar crianças pequenas no colo;
    • Não use lentes de contato durante esse período;
    • Evitar banhos de sol.

    Após avaliar o tipo de conjuntivite, o médico vai orientar o melhor tratamento e, se necessário, prescreverá colírios e algumas medidas para aliviar o desconforto, tais como compressas frias com soro fisiológico estéril.

  • DMRI Degeneração Macular Relacionada à Idade

    A DMRI é uma patologia frequentemente relacionada ao envelhecimento e de causa desconhecida. Nela ocorre o crescimento anormal dos vasos sob a retina, afetando a mácula e ocasionando a baixa súbita ou progressiva da visão central do paciente. É comum em paciente com idade superior a 55 anos e afeta mais de 25% dos pacientes com mais de 75 anos. O não tratamento pode levar à cegueira.

    São sintomas comuns nos casos de DMRI:

    • Linhas retas parecerem onduladas;
    • As cores parecerem pálidas;
    • As palavras ficarem borradas;
    • Visão de flashes de luz ou pontos escuros;
    • Sensação de visão dupla.

    A DMRI pode apresentar-se de três formas:

    • Cicatricial – baixa de acuidade visual e escotoma central permanente (escotoma diminuição localizada da visão).
    Seca – a diminuição da acuidade visual é lenta, assimétrica e a mácula tem manifestação pigmentar.
    Exsudativa – é característica da metamorfopsia (distorção da imagem, um bastão reto que parece curvo ou ondulado), a diminuição da acuidade visual é súbita, na mácula se identifica descolamento seroso ou hemorrágico.

    Para o seu tratamento, o médico pode optar pela fotocoagulaçao a laser, terapia fotodinâmica, cirurgia, medicações ou ainda somente observar. Isso varia de acordo com cada caso.

  • Estrabismo

    O estrabismo é a perda do paralelismo ocular entre os olhos. Pessoas portadoras de estrabismo, popularmente são chamadas de “vesgas”.

    O estrabismo pode ser vertical ou horizontal.

    Os estrabismos horizontais podem ser:

    • Convergente (para dentro), chamado de ET ou endotropia;
    • Divergente (para fora), chamado de XT ou exotropia;

    Nos estrabismos verticais um dos olhos pode estar mais para cima (Hipertropias) ou mais para baixo (Hipotropias).

    O desvio é causado, geralmente, pelo desequilíbrio da força que cada um dos músculos recebe para que o movimento dos olhos ocorra.

    Os desvios podem ser:

    • Manifestos: Quando pode ser observado o tempo todo;

    • Intermitentes: Hora os olhos estão desviados, hora alinhados;

    • Latentes: Não aparecem, só podem ser vistos no exame da motilidade ocular.

    O tratamento varia de acordo com cada tipo de desvio e pode ser feito com óculos, tampão, colírio ou cirurgia. O diagnóstico precoce é fundamental para que se corrija a tempo, e para que nenhuma das funções visuais seja prejudicada.

    Bebês com suspeita de estrabismo devem ser levados ao Oftalmologista, pois alguns estrabismos necessitam de correção cirúrgica nos primeiros meses de vida.

    Outros, quando relacionados à refração, podem melhorar significantemente apenas com a prescrição dos óculos adequados.

  • Olho Seco

    É causado por um conjunto de alterações que resultam na umidade e lubrificação inadequadas dos olhos.

    Alguns fatores podem ser responsáveis por essa patologia:

    • Idade: A produção de lágrimas diminui com o avanço da idade;
    • Uso excessivo de computadores: Por prestarmos atenção sem nos lembrarmos de piscar, ao usarmos excessivamente o computador esquecemos de piscar com a frequência necessária para mantermos os nossos olhos lubrificados;
    • Doenças sistêmicas: O olho seco pode estar relacionado a doenças como artrite, alergia, lupus, Síndrome de Sjögren e algumas doenças da pele;
    • Meio-ambiente: Condições ambientais, como ar seco, fumaça e vento;
    • Medicação: Algumas medicações, como anti-histamínicos, anti-depressivos, anti-hipertensivos;

    Faça um teste para saber se você deve procurar um especialista para o assunto:

    Você já sentiu algum dos sintomas abaixo?

    • Sensação de queimação;
    • Sensação de ardência;
    • Coceira ou sensação de corpo estranho e areia nos olhos;
    • Ressecamento;
    • Sensibilidade à luz brilhante;
    • Secreções de muco nos olhos.

    Caso tenha tido um ou mais sintomas parecidos com os especificados acima, procure-nos para um teste mais preciso, o Teste de Schirmer, pois através dele conseguiremos diagnosticar a Síndrome do Olho Seco e proporcionar o tratamento adequado.

  • Importância dos Raios UV para sua visão

    A radiação ultravioleta, conhecida como UV, faz parte da luz solar que atinge o nosso planeta e é essencial para a preservação do calor e para a existência da vida.

    Os buracos na camada de ozônio, provocados pelo homem, fazem com que sejamos expostos a esta radiação. Sem a camada de ozônio para nos proteger, os raios UV podem causar queimaduras, fotoalergias, envelhecimento precoce e câncer de pele.

    Uma longa exposição aos raios UV sem proteção adequada pode provocar danos na superfície do olho e suas estruturas internas. Quanto maior o tempo de exposição, maiores as chances de desenvolvimento de doenças oculares, como por exemplo: catarata, pterígio, pinguécula e degeneração macular.

    Como proteger os olhos dos raios UV?

    • Usar chapéus de abas largas;
    • Sempre use protetor solar, principalmente nos lábios e rosto;
    • Usar óculos com proteção UV;
    • Usar lentes de contato com proteção UV;
    • Evite a exposição desnecessária ao sol sem proteção adequada, principalmente entre às 10:00 e às 15:00;
    • Nunca compre óculos em local não confiável. Além de não oferecerem proteção, são feitos com lentes de má qualidade. Isso faz com que os nossos olhos realmente acreditem que estão protegidos, mas, ao serem expostos ao sol terão os prejuízos da exposição aos raios UV.

  • Retinopatia Diabética

    A retinopatia diabética é uma das patologias mais frequentes entre os pacientes portadores do Diabetes, sendo caracterizada por pequenas lesões na retina. Esses pequenos sangramentos podem ser contidos com o tratamento de Fotocoagulação à Laser.

    A hemorragia é contida com o procedimento, mas a perda da visão no ponto tratado é irreversível.

    Pacientes diabéticos, além do controle periódico da Glicemia, precisam fazer acompanhamento com o Oftalmologista.

    O exame de fundo de olho deve ser realizado anualmente.

    Principais sintomas:

    • Visão turva ou desfocada;
    • Moscas Volantes;
    • Percepção de “Relâmpagos”;
    • Perda Súbita de Visão;

    OBS: Não se deve esperar surgirem os sintomas para procurar ajuda do Oftalmologista, pois fase inicial são praticamente imperceptíveis. Para melhor resultado de tratamento, a retinopatia precisa ser tratada em estágio inicial.

  • Retinopatia Hipertensiva

    A retinopatia Hipertensiva é uma das patologias oculares que pode acometer os pacientes portadores de hipertensão arterial.

    Pacientes hipertensos, além do controle periódico da Pressão Arterial, precisam fazer acompanhamento com o Oftalmologista.

    O exame de Fundo de Olho deve ser realizado anualmente.

    A Hipertensão arterial pode causar outras patologias que também podem afetar a visão do paciente, tais como: obstrução de artérias e veias da retina, crescimento anormal de vasos sanguíneos retinianos, hemorragias, edema de papila, entre outras.

    Principais Sintomas:

    Os pacientes normalmente,ao olhar para uma superfície clara, referem ver:

    • Moscas volantes;
    • Manchas escuras;
    • Manchas escuras;
    • Fios que se assemelham a teias de aranha;

  • Toxoplasmose

    Pacientes portadores de toxoplasmose podem ter a visão afetada.

    A toxoplasmose pode ser pega através do contato com gatos, ou ainda pela ingestão de alimentos mal lavados ou mal cozidos e água contaminada.

    Principais sintomas:

    • Febre;
    • Ínguas;
    • Gânglios inchados.

    Os sintomas podem durar uma ou duas semanas e acometem a minoria dos infectados, entre 10% – 20%. Entre 80% – 90% dos infectados tem infecção assintomática.

    Se o paciente estiver com a imunidade baixa, a doença ocorre de maneira mais agressiva, acometendo outros órgãos do corpo, podendo causar graves alterações visuais. Quando o olho é acometido, o paciente pode relatar:

    • Visão borrada;
    • Floaters (manchas na visão);
    • Dor;
    • Fotofobia (intolerância à luminosidade).

    Durante os primeiros três meses de gestação, o cuidado para que a mãe não se contamine deve ser rigoroso. É recomendável que a mulher não frequente lugares onde haja gatos, não coma carne crua ou mal cozida, e lave muito bem os alimentos a serem consumidos.

    A toxoplasmose pode provocar a morte do bebê ou levar a criança a nascer com toxoplasmose congênita, uma das formas mais graves da doença.

  • Moscas Volantes

    Ao olhar para uma parede ou superfície clara, ocasionalmente você pode ver uns pontinhos escuros andando de um lado para o outro no seu campo de visão. Esses pontinhos parecem estar flutuando, mas não estão. São pequenas opacidades na gelatina vítrea que temos no olho.

    Podem aparecer também sob a forma de “fio de cabelo” ou “teia de aranha”.

    Procure o oftalmologista:

    • Se perceber pontos pretos e nunca foi examinado antes;
    • Se nunca percebeu e notou o aparecimento súbito de pontos pretos;
    • Se você percebe os pontos, já foi examinado antes, mas notou o aparecimento de novas moscas;
    • Se você foi operado do olho (qualquer cirurgia), mesmo que há muito tempo, e percebeu o início de pontos pretos;
    • Se você sofreu uma pancada no olho e passou a perceber as moscas volantes;
    • Se você percebe, além de moscas volantes, a presença de flashes de luz ou de uma sombra na visão.

  • Presbiopia

    Também conhecida como vista cansada, a presbiopia aparece por volta dos 40 anos de idade. Para pacientes com hipermetropia e diabéticos ela pode aparecer antes.

    Ao longo dos anos, o músculo que é responsável pelo foco das imagens vai enfraquecendo, causando o embaçamento para perto.

    Óculos para perto trazem de volta o conforto para leitura.

    Esse processo é progressivo e, por volta dos 60 anos de idade, torna-se estável.

    Pacientes que apresentam miopia, com o passar do tempo, vão apresentar visão ruim para leitura com os óculos, preferindo tirá-los para ler.

    Para quem está présbita e já usa óculos para correção de hipermetropia, miopia ou astigmatismo, existem lentes multifocais ou bifocais que proporcionam visão para todas as distancias. Lentes de contato também são uma boa opção.